EN
EN

Governança e estruturação das empresas audiovisuais brasileiras facilita crédito e crescimento, explica BNDES durante RioContentMarket 201

07/03/2017 | Fonte:

Banco participa da programação do dia 8 de março, no maior evento audiovisual da América Latina. Estratégia de apoiar produtoras, e não projetos isolados, tem garantido maior rentabilidade, explica especialista.

Março de 2017 - Com o crescimento da produção audiovisual independente no país, a preocupação com gestão e transparência no funcionamento das empresas torna-se questão primordial para o crescimento do setor. O assunto será abordado na próxima edição do RioContentMarket pelo BNDES, que participa de painéis no dia de abertura do evento, 8 de março. 

“O objetivo principal do nosso trabalho com o setor audiovisual é a melhoria da governança corporativa das empresas – explica Gabriel Lourenço, chefe do Departamento de Fundos de Investimentos do BNDES - dessa forma, apoiamos o setor através de fundos de investimentos, participações e aprimoramentos, tornando as produções mais rentáveis”. Ele fala às 10h15 na sala 2, junto de Cássio Scmitt, diretor de Produtos de Crédito do Banco Santander e Mayra Lucas, CEO da Glaz Entretenimento, com moderação de Fernanda Farah, gerente do Departamento de Economia da Cultura do BNDES.

“O setor é muito dinâmico e ganhou impulso com a lei 12.485 (“lei da TV paga”). O conteúdo é cada vez melhor, e agora nosso objetivo é que possua retorno econômico e sustentabilidade maiores”. O banco atua com editais e chamadas públicas.  Atualmente, cinco fundos de investimento já trabalham em projetos maduros em fases finais. Três deles são voltados para projetos de filmes, e dois possuem participações acionárias em companhias, mas esse número deve aumentar.  A ideia é fazer com que o BNDES se transforme em um parceiro das produtoras em todo o portfólio, em não em projetos isolados. “Dessa maneira, podemos atuar em uma diversidade de produtos como desenhos animados, séries, longas metragens e comerciais de TV, garantindo rentabilidade maior”, esclarece Lourenço.

Para ele, da relação entre o banco e as produtoras independentes surgem dispositivos que auxiliam o crescimento das empresas, como conselhos de administração, balanços auditados, melhores estruturas societárias, entre outros. Essa organização proporciona, por exemplo, menores custos de crédito. “O setor é promissor, e o BNDES possui foco nas micros, pequenas e médias empresas. É um mercado em expansão, e faz sentido apoiarmos esse movimento”. 

O BNDES também participa, no mesmo dia, de painel com Cláudio Leal, Superintendente da Área de Indústria e Serviços do BNDES e Luciane Gorgulho, Chefe do Departamento de Economia da Cultura do órgão. Eles apresentam um panorama da macroeconomia brasileira e falam sobre os impactos e perspectivas para o setor audiovisual nos próximos anos. Na sala 1, das 15h30 às 16h15

A programação completa do evento está disponível no site oficial do RioContentMarket.